Destaques na Negociação de Claims

4 Passos
para o Sucesso

arrow
01
reuniao-kick-off-pleito
Reunião de kickoff com Contratante

Formalização do cronograma e coleta de dados (na sequencia). Cronograma de trabalhos é fundamental na relação da 3P com seus clientes. Coleta de dados (contrato, registros de execução, pleito e outros) para sustentar a análise.

arrow
02
analise-preliminar-3p
Análise e Parecer Preliminar

Análise dos fundamentos do pleito e determinação de potencial redução de custos. Discussão sobre estratégias de negociação.

arrow
03
negociacao-prestador-servico-oficial
Negociação com Prestador de Serviço

Esse momento é crucial e é aqui que nossa expertise conta, vamos negociar com ética e visando restaurar o equilíbrio ou encerramento adequado das relações. Você ficará por dentro dos detalhes e serão oferecidas opções.

04
encerramento-prestacao-servicos-3p
Encerramento

Acordos (integrais ou parciais). Instrumentos Jurídicos (termos de acordo, distrato, alteração contratual e outros).

Fique por dentro! Informações Adicionais Sobre as Negociações

Quais são os possíveis desdobramentos
de uma abertura de Claim e as Bases Legais.

Um Acordo Bem Sucedido e o Encerramento Contratual

Um acordo resultante de uma negociação de pleito bem sucedida não necessariamente implica no
encerramento contratual.
O encerramento contratual ocorre quando o pleito foi apresentado após a conclusão dos serviços (término efetivo do contrato) ou quando uma das partes (tomador ou prestador de serviço) não tem interesse e dar continuidade àquela relação contratual.

Um Acordo Bem Sucedido sem encerramento contratual

Em muitos casos as partes litigiosas chegam a um acordo considerado por ambas bem sucedido e a prestação dos serviços e contrato continuam. Nesse caso houve um reequilíbrio das partes e a relação se manteve interessante para que ambos sigam com o contrato atual alterado conforme o claim ou mediante novo contrato.

Sem acordo

Algumas negociações podem não lograr êxito devido a uma série de fatores, os mais comuns são: não interesse ou falta de flexibilidade de uma das em negociar, não concordância sobre as solicitações do pleito ou não atendimento das exigências visando o aspecto bilateral entre outros.

Mediação

A mediação introduz, no processo para solucionar o pleito, a figura do mediador. Ela pode ser via processo
judicial ou extrajudicial. A mediação judicial é regulamentada pela Lei 13.140/15. Neste contexto, o
mediador será designado pelo Tribunal de Justiça ou escolhido pelas partes.
A mediação pode ser previamente estabelecida via cláusula contratual ou ser ajustada mediante acordo
dos interessados no momento do conflito. Ela pode versar sobre todo o conflito ou parte dele. Ela busca o
entendimento, o consenso e a facilitação da resolução do conflito.
Esse processo é orientada pelos seguintes princípios: imparcialidade do mediador, isonomia entre as
partes, oralidade, informalidade, autonomia da vontade das partes, busca do consenso, confidencialidade e
boa-fé.

Arbitragem

A arbitragem introduz, no processo para solucionar o pleito, a figura dos árbitros, pois é comum que esse
processo seja conduzido por mais de um árbitro. A arbitragem é regulamentada pela Lei 9.307/96 – Lei da Arbitragem.
As partes convencionam livremente em contrato a câmara arbitral onde serão submetidas as disputas e
controvérsias.

Litígio

É o meio mais traumático, para as partes, visando a solução de um pleito, implicando na introdução de
diversas figuras (juiz, advogados e outros). O litígio pressupõe o impasse ou frustração das negociações.
O litígio tem um ritual obrigatório de cumprimento, muitas vezes moroso (abrangendo ampla defesa,
contraditório, prova pericial e audiências). Ele pode ocorrer em três Instâncias processuais: Comarca,
Tribunal Estadual/Regional e Tribunais Superiores/Brasília.

3P Soluções Empresariais